Geração BB, X, Y e Z. Sua academia sabe vender para esses públicos?

Existe uma chance muito grande da sua academia ter entre seus clientes alunos das gerações BB, X, Y e Z. Parece sopa de letrinhas, mas essa é a forma que se faz a divisão entre gerações. Cada qual tem características bastante específicas e podemos encontrar muitos textos que falam sobre os conflitos entre essas gerações, principalmente no mercado de trabalho.

Existe um outro aspecto de extrema importância para quem está no mercado de academias que é a forma como essas gerações lidam com as questões relacionadas ao corpo e como elas consomem.

É fato que quanto mais definido for o nosso público alvo mais fácil se torna vender para ele, pois conseguimos ter estratégias bem definidas e usar ferramentas mais adequadas. E as ferramentas mais adequadas terão relação com o tipo de tecnologia usada pela geração que você pretende atingir.

geração bb x y z

Quem são as gerações BB, X, Y e Z

As faixa etárias dessas gerações é delimitada por períodos que compreendem cerca de 20 anos, mas existe uma variação dependendo do autor dos estudos. Vale lembra que os nascidos próximos aos extremos de cada geração vão apresentar características de ambas.

Geração BB (Baby Boomers) – nascidos entre 1945 e 1965

  • Otimistas em relação às mudanças políticas, viveram fase de engajamento contra ditaduras.
  • Workaholics
  • São funcionários fiéis
  • São responsáveis por suas conquistas materiais

Geração X – nascidos entre 1965 e 1985

  • Céticos e politicamente apáticos
  • Gostam de informalidade no trabalho
  • Buscam equilíbrio entre o profissional e o pessoal
  • Sentem-se a vontade com tecnologia

Geração Y – nascidos entre 1985 e 2005

  • Otimistas, engajados em questões políticas.
  • Comprometido com questões ecológicas
  • Extremamente informais, agitados, impacientes e imediatistas
  • Usam todos os recursos do celular

Geração  Z – nascidos após 2005 (até 2025 ?)

  • Nativos digitais
  • Preferem brincar com tablet do que andar de bicicleta

Em relação ao corpo e à forma de consumo, montei uma tabela com a minha percepção e para fundamentar a discussão.

BB

X Y

Z

Comunicação Telefone fixo Celular Smartphone Mobile
Ponto de encontro Praça Orkut Facebook Snapchat
Informação Rádio /Mídia Impressa TV/Mídia Impressa/Internet Internet Internet
Educação Física Escolar Militarista Tecnicista Desvalorizada Sem significado
Exercício Esportes tradicionais Ginástica Aeróbica / Musculação Esportes Radicais / Atividades alternativas Não gosta de exercício?
Corpo Atlético Magro Saudável ???
Consumo Off-line Predominantemente off-line Predominantemente Online Só online?

Analógico X Digital

O que consigo observar claramente no quadro acima é que:

  1. Estamos migrando de um mundo analógico para um mundo digital;
  2. Que a tendência é o consumo ser online, sempre que houver essa possibilidade;
  3. Que as informações são cada vez mais acessíveis, rápidas e efêmeras;
  4. Que a visão sobre o corpo ideal tende a melhorar, embora o aumento da obesidade seja fato.
  5. Que existe uma relação entre a  educação física escolar e a escolha do exercício na vida adulta e que essa escolha tem relação com o prazer que o exercício pode proporcionar.
  6. Que quanto mais digital, menos presencial e mais superficial são as relações.

O impacto disso nas vendas na academia aparece em dois aspectos: o formato do produto e a forma como ele será vendido.

Quanto ao produto fica claro que independente do tipo de atividade que a academia vai oferecer quanto mais dinâmica e divertida melhor. E antes que você ache que isso é o fim do modelo musculação/cardio, tenha calma, é apenas o fim do modelo treino chato, longo infinito de musculação/cardio. Mas sobre esse tópico eu reservo um outro momento para falar.

Já quanto a forma que a venda ocorrerá é preciso tomar alguns cuidados. Não dá para conceber que ainda hoje existam academias que não estão estruturadas para fazer a venda e toda a campanha de marketing em ambiente digital. Independente do nicho certamente têm clientes da geração Y o que já é motivo suficiente para dar mais atenção ao digital. Sem contar que seu futuro cliente será da geração Z, se não se preparar agora que ainda há lugar para testar e errar, não conseguirá se manter no mercado.

Por outro lado dependendo do nicho e do público alvo da academia, não dá para abandonar totalmente estratégias analógicas. Se sua base de clientes tem uma proporção grande de geração BB e geração X, trocar tudo pelo digital será um tiro no pé. A solução aqui é manter ambos e migrar aos poucos. Neste caso usar o e-mail marketing pode ser menos eficaz do que o telemarketing e isso não pode ser desprezado.

Ficou com dúvidas? Quer dar sua opinião? Deixe um comentário!